12 abril 2008

E o tempo passa...

Olá, amigo (a)!
Agradeço mais uma vez a sua visita!
Como já disse em posts anteriores, a correria e o excesso de compromissos tem me tomado muito tempo nos últimos meses e, por isso, o blog está um pouco desatualizado - A última postagem ocorreu há uma semana!

Pra você ter uma idéia, olha só: Para a faculdade, livros e mais livros para ler, trabalhos e mais trabalhos para fazer, pautas para pensar... Nossa, que loucura! Além da correria de sempre na rádio e no jornal que eu trabalho.

Bom, mas vou tentando conciliar tudo de uma maneira que não prejudique nenhum lado. Nem mesmo o blog, certo ?!

Oh, tempo pra escrever algo bacana para postar aqui infelizmente não tive, aliás, acho que nem cabeça pra isso eu tive, rs. Mas, pra não deixar parado, gostaria de compartilhar com vocês um artigo que, fuçando, encontrei aqui no arquivo do jornal: é um texto meu, publicado em 15 de abril de 2005. Na época não trabalhava no jornal ainda e cursava a 2ª série do Ensino Médio. Confira:

Um ciclo de transformações
Os dias passam, os meses, e com eles, os anos. Diante de um mundo globalizado é inevitável que não ocorra transformações, sejam elas na parte tecnológica ou social. Antes da Consolidação das Leis Trabalhistas, os trabalhadores não tinham direito algum. Nem férias, salários fixos, o 13o salário nem passava pelas suas cabeças. E o famoso registro? Jamais haviam pensado nessa possibilidade.

Já embarcando nesse assunto, é importante destacar também o avanço que a mulher conquistou em anos de luta e perseverança. O voto que foi concedido, depois de muita injustiça, tornando assim, um país mais democrático.

A História nos revela muitas transformações, buscando sempre ressaltar a importância de mudar, renovar, enfim, evoluir, aceitando novos desafios. Mas é importante destacar que as mudanças podem trazer conseqüências favoráveis ou desfavoráveis ao aprimoramento humano. Quer um exemplo? Construções implantadas há dez anos, são consideradas antigas. Roupas do ano passado são consideradas fora de “moda”. Onde iremos chegar?

Ter uma continuação renovadora é muito bom, mas o fato de analisar pela aparência e avaliar o mundo de acordo com as “novas diretrizes”, faz com que as pessoas deixem de pensar no “melhor” e busquem o que está no “auge”.

Acontecimentos que não podemos permitir que se estendam é essa interpretação lastimável de que “tal roupa” não está sendo mais usada ou que aquele carro já está antigo, ou ainda, este celular já saiu de linha. Essas mudanças devem ser ignoradas, pois só existem, por visar capital. Devemos abandonar essa “tecnologia exploradora”.

Não podemos deixar a “tecnologia relevante” sem destaque. Com ela, a cada dia que passa, temos um novo avanço, uma nova idéia, um novo sonho e, podemos dizer também, um grande amadurecimento das pessoas.

Em décadas anteriores, quem imaginaria que seria possível conectar uma linha telefônica ao computador e, a partir disso, manter contato com pessoas de todo o mundo? Aliás, e quando se fala em internet via rádio, você já parou para pensar? Por freqüência de ondas, a informação é levada a vários lares. Algo tão simples aos olhos humanos, mas muito significante para a ciência.

O tempo passa, informações vão chegando, novas descobertas vão surgindo e novas “modas” vão se desenvolvendo. A passagem do ontem para o amanhã é considerado um período em que muitas transformações estão sujeitas a ocorrer. O hoje é algo presente e talvez já ultrapassado, que coisa não?!
Grande e Forte Abraço!
Obrigada pela visita..
Não esqueça de comentar :D

2 comentários:

Alexandro Leopoldino disse...

Gosto e admiro seu jeito de escrever e se expressar, posso dizer q vc já ganhou um fã e acima de tudo um amigo. Ah! tem outra coisa, adoro trabalhar com vc!
Um forte abraço do seu amigo Xandy.
Gosto de vc!

Diuân Feltrin disse...

Acho que nesta época você já havia descoberto sua vocação: escrever!
Muito bom texto Angélica!!!