06 outubro 2009

Liberdade de expressão em xeque

É comum discutir-se sobre a existência da “liberdade de expressão”. Na mídia, questiona-se com frequência os limites deste “direito”: quais as vantagens e desvantagens de tornar público um pensamento? Até que ponto considera-se positivo argumentar a favor de uma causa que defende?

Para quem busca um espaço destinado à produção textual livre, uma das ferramentas mais utilizadas atualmente é o blog. Livre de linhas editoriais e “superficialmente” distante de fiscalização, a internet oportuniza aos críticos a possibilidade de publicar seus pontos de vista.

Recentemente, o publicitário Raphael Quatrocci postou no blog “Resenha em 6” uma análise sobre o Boteco São Bento, localizado no bairro Vila Madalena em São Paulo. Com abordagem crítica, o post causou grande repercussão. Ofendido, Jonas Steinmayer, um dos proprietários do blog, deixou um comentário com característica “ameaçadora”. O fato foi levado à Justiça e o blog obrigado a retirar a resenha do ar.

A decisão judicial torna-se clara a utopia existente no termo “liberdade de expressão”. Citar nomes de estabelecimentos pode ser considerada uma atitude um tanto quanto ousada, mas ainda sim compreensível, já que o autor demonstrava a insatisfação com o atendimento que recebeu. Coagir o blogueiro a excluir o post não seria uma posição correta. Tal acontecimento descaracteriza a ferramenta, já que a maior peculiaridade do blog é justamente a liberdade que ele oferece.

Aceitar as críticas e utilizá-las como subsídios para a melhora é uma atitude sábia. Muito ganharia o autor da resenha, dono do bar e consumidores se o comentário de Jonas Steinmayer transmitisse uma mensagem de otimismo, profissionalismo e seriedade. Grande seria o avanço se ele utilizasse a frase: “Agradecemos as críticas. Medidas estão sendo tomadas para repararmos estes transtornos”, ao invés de “estamos tomando as devidas providências em relação a esse blog”.

(*) Texto produzido como atividade avaliativa da disciplina de Jornalismo Online e Novas Tecnologias, ministrada pelo professor José Marcos Taveira.

2 comentários:

Lívia disse...

Concordo em termos com o seu artigo Angélica. Acho que se o dono do bar recebesse a crítica com o respeito que qualquer pessoa merece, ele não usaria esse tom ameaçador. Concordo que o Raphael alerte seus leitores sobre um lugar ruim, mas ele deveria ter tido o bom senso de escolher melhor as palavras..Toda crítica construtiva é sempre bem vinda... mas palavrões e comparações grosseiras realmente não devem ser toleradas. (Aliás isso foi uma opinião e não uma crítica. Hehehe..apesar de opiniões diversar, seu texto, como sempre, está ótimo). Beijo

Diuân Feltrin disse...

Ótimo texto Angélica. Penso que a liberdade de expressão deve se dar de forma efetiva, e os blogs são ferramentas eficazes para que isso aconteça.