30 outubro 2009

Mídia digital: o que dizer sobre o futuro do jornalismo?

As ferramentas digitais ganham destaque constantemente na vida das pessoas. As mudanças de hábitos em virtude da atual revolução tecnológica são evidentes. E com o jornalismo não é diferente - é imprescindível que os profissionais e respectivas mídias se ajustem à tendência.

Durante uma visita ao Portal Terra, na manhã desta sexta-feira, 30, li uma matéria interessante. O texto me fez refletir: qual tem sido o comportamento do público diante do avanço das mídias digitais e demais recursos disponibilizados na internet? quais têm sido os procedimentos adotados pelas empresas jornalísticas para atrair a atenção das pessoas? o que dizer sobre o futuro do jornalismo?

Compartilho a matéria com os leitores do Pensamentos, fatos e relatos. Não esqueçam de comentar!

Portal TERRA -
Vagner Magalhães
Direto de São Paulo


Em três dias de debates, o 3º MediaOn, maior fórum de jornalismo online da América Latina, discutiu os caminhos que as empresas de mídia terão a percorrer em tempos de revolução tecnológica e a mudança no papel que o jornalista desempenha frente ao seu público.

Com a crescente participação das pessoas nas chamadas mídias sociais, houve consenso em que mais do que relatar, os jornalistas terão de interagir com o seu público. Um dos mais críticos a esse respeito foi Joshua Benton, jornalista investigativo e diretor do Nieman Journalism Lab, da Universidade de Harvard, para quem os jornalistas terão de perder a sua arrogância e agir como seres humanos. "Os jornalistas online tem de encarar o leitor em primeira pessoa e dizer: 'isto nós sabemos e isto nós não sabemos'".

Outro tema abordado com frequência foi a sobrevivência da mídia em papel como ela é hoje, frente ao avanço das tecnologias digitais. Via de regra, a maioria concordou que haverá mudanças, mas nem todos apostam no seu fim a médio prazo. Porém, acreditam que o modelo de negócio passará por uma reestruturação profunda, sob o risco de sua extinção.

Veja alguns trechos de temas relevantes abordados nos três dias do encontro:

Joshua Benton, jornalista investigativo e diretor do Nieman Journalism Lab, da Universidade de Harvard - "Os jornalistas terão de perder a sua arrogância e agir com seres humanos. A transição vai ser muito difícil para a maioria. Ainda temos muito a escrever, principalmente para investigar casos de corrupção. A internet treinou as pessoas para que elas recebessem as informações de uma forma social. Os repórteres tem de parar de encarar o seu público como um estorvo. Os jornalistas encaram os e-mails de um leitor como algo chato, principalmente quando endereçados ao editor. É hora de a voz institucional desaparecer. Os jornalistas online tem de encarar o leitor em primeira pessoa e dizer: 'isto nós sabemos e isto nós não sabemos'"

Marcos Foglia, gerente de novos meios do Clarín Global - "Estamos disputando o tempo das pessoas. Se elas estão fazendo uma coisa, deixam de fazer outra. Se ela está lendo um e-mail, não está navegando pelo conteúdo. É uma disputa incessante".

Altino Machado, do Blog da Amazônia - "O blog deu dimensão internacional ao meu trabalho. A internet é algo que supera fronteiras. Recebo mensagens de todas as partes do mundo. E pensar que já transmiti matérias por telex, como a da morte de Chico Mendes, em Xapuri, no ano de 1989".

Danilo Gentili, integrante do CQC - "A graça do Twitter é eu mesmo me comunicando com quem está me lendo. A partir do momento que eu ficar moderando o que está acontecendo, não serei eu verdadeiro. Eu sou uma pessoa como vocês".

Camila Menezes, coordenadora de imagem do técnico Mano Menezes - "Hoje, o Twitter do Mano é uma referência entre os jornalistas e acompanhado de perto por eles. Tenho arquivado mais de 40 matérias geradas a partir desse meio de comunicação. Ele tem mais de 1,1 milhão de seguidores na ferramenta. Meu pai não é um comunicador, mas o Twitter dele virou uma febre".

Nathalie Malinarich, editora executiva da BBC News online - "É preciso fazer um material voltado para todas as plataformas, como TV, rádio e celulares, entre outros. Nós não temos apenas os vídeos da TV. Nós criamos muito material especialmente para o site. O público tem privilegiado nosso trabalho por conta desse tipo de recurso."

Antonio Guerreiro, diretor de conteúdo do R7.com - "Eu me divertia muito quando via as definições que davam para o R7 antes de ele ir ao ar. Falavam que vínhamos para concorrer com a Globo, com o G1. Vamos concorrer com todos. A internet estimula a infidelidade e vamos brigar por esse mercado".

Pedro Doria, editor-chefe de conteúdos digitais do Grupo Estado - "O jornalismo nasceu para servir uma comunidade e alimentar ela de informação. A Internet foi feita para jornalismo, ainda que não profissional. A informação bem apurada continua sendo absolutamente necessária para que o mundo continue coeso."

Fabiana Zanni, diretora de mídias digitais da editora Abril - "Transcrever a revista para os sites não é adequado, temos de agregar conteúdo. Acreditamos que a Abril vai se fortalecer no conceito de 360 graus. No final, isso vai nos levar a uma posição de liderança e a galgar posições melhores no mercado de internet nos próximos anos".

Pierre Haski, editor chefe do site Rue.89.com - "O jornalismo passa por uma crise moral e buscamos saída para essa crise. A falta de confiança dos leitores pode ser reconstituída na internet. A conversa com eles pode melhorar isso. Nós tivemos muita sorte de ser o primeiro jornal eletrônico diário a ser publicado dessa forma e com esse tipo de pensamento na França".

Fernando Madeira, presidente do Terra América Latina - "Leva um tempo se construir uma marca. A internet ajuda a construir e destruir isso. Nós que nascemos e crescemos digitais, temos pouco apego às nossas marcas".

Silvio Meira, professor de engenharia de software da Universidade Federal de Pernambuco - "Os jornais perceberam que precisam se adaptar de alguma maneira. Não dá mais para ficar disponibilizando conteúdo apenas no papel. As empresas tem de criar o seu DNA de adaptabilidade. Muita gente está tentando fazer coisas diferente".

André Mermelstein, diretor editorial da Converge Comunicações e responsável pela revista Tela Viva - "Banda larga (celular e internet), estão surgindo todas as novas modalidades de consumo. Esse é o futuro que teremos a curto e médio prazo".

Júlio Gomes, editor do site ESPN.com.br - "O Twitter é a nossa terceira fonte de audiência. O torcedor quer ver o jogo na TV, rever os gols na internet. Não acho que tudo vai acabar e vai sobrar só internet, mas é preciso integrar as plataformas".

Luiz Fernando Gomes, editor-chefe do diário esportivo Lance! - "O jornal terá de ser de 'amanhã' e não de 'ontem'. Ele tem de prever e analisar o que vai acontecer. Sobreviverão as empresas de comunicação que souberem se adaptar ao que o público quer, não o que a gente acha que ele quer".

José Henrique Mariante, editor do caderno de esporte da Folha de S.Paulo - "O jornalismo online é feito de colagem de outras plataformas que existem. Já é um problema na internet distinguir o que é importante ou não. É mais importante dar uma informação mais nova ou dar a informação antiga melhor?".

José Roberto Toledo, jornalista especializado em política e jornalismo de precisão - "Entre as dicas que eu posso dar está uma apuração precisa. O conceito de publicar antes não vale mais. O que interessa hoje é dar a melhor informação. Apurem bem, procurem as informações mais contextualizadas, com mais de uma fonte. A checagem ganhou mais importância nos dias de hoje".

Tiago Dória, jornalista e editor de blog sobre cultura, web, tecnologia e mídia hospedado no IG - "É preciso dominar os conceitos e não as ferramentas. Elas são um meio para ir a algum lugar. Hoje é o Twitter, amanhã é outra ferramenta. As ferramentas vão e voltam e os conceitos ficam".

Nenhum comentário: